Artigos › 08/06/2018

Entenda como a gratidão muda você e seu cérebro

Muitos estudos na última década descobriram que pessoas que conscientemente são agradecidas tendem a ser mais felizes e menos deprimidas.

Nós nos propusemos a abordar essas questões em uma recente pesquisa envolvendo cerca de 300 adultos, a maioria estudantes universitários, que procuravam aconselhamento em saúde mental em uma universidade.

Recrutamos esses participantes pouco antes de iniciarem a primeira sessão de aconselhamento e, em média, relataram níveis clinicamente baixos de saúde mental na época.

A maioria das pessoas que procuram serviços de aconselhamento nesta universidade, geralmente lutam contra problemas relacionados à depressão e ansiedade.

O problema é que a maioria dos estudos de pesquisa sobre gratidão foi realizada com estudantes universitários ou outras pessoas que vivem bem.

A gratidão é benéfica para as pessoas que lutam contra problemas de saúde mental? E se sim, como?

Nós dividimos aleatoriamente os participantes do estudo em três grupos.

Embora os três grupos recebessem serviços de aconselhamento, o primeiro grupo também foi instruído a escrever uma carta de gratidão a outra pessoa, toda semana durante três semanas, enquanto o segundo grupo foi solicitado a escrever sobre seus pensamentos e sentimentos mais profundos sobre experiências negativas.

O terceiro grupo não fez nenhuma atividade de escrita.

O que nós descobrimos?

Em comparação com os participantes que escreveram sobre experiências negativas ou receberam apenas aconselhamento, aqueles que escreveram cartas de gratidão relataram uma melhora significativa na saúde mental quatro semanas e doze semanas após o final do exercício de escrita.

Isso sugere que a escrita de gratidão pode ser benéfica não apenas para indivíduos saudáveis e bem ajustados, mas também para aqueles que lutam contra problemas de saúde mental.

Na verdade, ao que parece, praticar a gratidão em conjunto com o aconselhamento psicológico traz maiores benefícios do que apenas o aconselhamento, mesmo quando essa prática de gratidão é breve.

E isso não é tudo.

Quando nos aprofundamos em nossos resultados, encontramos indicações de como a gratidão pode realmente funcionar em nossas mentes e corpos.

Embora não seja definitivo, aqui estão quatro reflexões de nossa pesquisa, sugerindo o que poderia estar por trás dos benefícios psicológicos da gratidão.

1. A gratidão nos liberta das emoções tóxicas

Gratidão e cérebro

Primeiro, analisando as palavras usadas pelos participantes em cada um dos dois grupos de redação, pudemos entender os mecanismos por trás dos benefícios para a saúde mental na escrita de cartas de gratidão.

Nós comparamos a porcentagem de palavras emocionalmente positivas, palavras emocionalmente negativas e palavras “nós” (primeira pessoa do plural) que os participantes usaram em suas cartas.

Não surpreendentemente, aqueles do grupo de escrita de gratidão usaram uma porcentagem maior de palavras emocionalmente positivas e palavras “nós”, e uma proporção menor de palavras emocionalmente negativas do que no outro grupo de escrita.

Foi a falta de palavras emocionalmente negativas – não a abundância de palavras positivas – que explicou a diferença de saúde mental entre o grupo de escrita de gratidão e o outro grupo de escrita.

No entanto, as pessoas que usaram palavras mais emocionalmente positivas e mais “nós” em suas cartas de gratidão não tiveram necessariamente melhor saúde mental depois.

Foi somente quando as pessoas usaram menos palavras emocionalmente negativas em suas cartas que eles eram significativamente mais propensos a relatar melhor saúde mental.

Talvez isso sugira que a escrita de cartas de gratidão produz uma saúde mental melhor, desviando a atenção de emoções tóxicas, como o ressentimento e a inveja.

Quando você escreve sobre como você é grato aos outros e quanto outras pessoas abençoaram sua vida, pode ser consideravelmente mais difícil remoer suas experiências negativas.

2. A gratidão ajuda mesmo que você não a compartilhe

Gratidão e cérebro

Nós dissemos aos participantes que foram designados para escrever cartas de gratidão que eles não eram obrigados a enviar suas cartas para o destinatário pretendido.

Na verdade, apenas 23% dos participantes que escreveram cartas de gratidão as enviaram.

Mas aqueles que não enviaram suas cartas desfrutaram dos benefícios de experimentar gratidão, de qualquer maneira.

(Como o número de pessoas que enviaram suas cartas foi muito pequeno, foi difícil determinar se a saúde mental desse grupo era melhor do que daqueles que não enviaram a carta.)

Isso sugere que os benefícios para a saúde mental de escrever cartas de gratidão não são totalmente dependentes de realmente comunicar essa gratidão a outra pessoa.

Então, se você está pensando em escrever uma carta de gratidão a alguém, mas não tem certeza se quer que essa pessoa leia a carta, nós o encorajamos a escrever de qualquer maneira.

Você pode decidir mais tarde se deseja enviá-la (e achamos que é uma boa ideia fazer isso).

Mas o mero ato de escrever a carta pode ajudá-lo a apreciar as pessoas em sua vida e desviar seu foco dos sentimentos e pensamentos negativos.

3. Os benefícios da gratidão levam tempo

Gratidão e cérebro

Esses resultados são encorajadores porque muitos outros estudos sugerem que os benefícios de atividades positivas para a saúde mental geralmente diminuem em vez de aumentar com o passar do tempo.

Nós não sabemos realmente por que este efeito bola de neve positivo ocorreu em nosso estudo. Talvez os que escreveram cartas de gratidão tenham discutido o que escreveram em suas cartas com seus conselheiros ou com outros.

Essas conversas podem ter reforçado os benefícios psicológicos derivados da própria gratidão.

É importante notar que os benefícios para a saúde mental das cartas de gratidão em nosso estudo não surgiram imediatamente, mas gradualmente se acumularam com o tempo.

Embora os diferentes grupos em nosso estudo não tenham diferido nos níveis de saúde mental uma semana após o término das atividades de escrita, os indivíduos do grupo de gratidão relataram melhor saúde mental do que os outros, quatro semanas após as atividades de escrita, e essa diferença na saúde mental tornou-se ainda maior 12 semanas após as atividades de escrita.

Por enquanto, a moral da história é esta: se você participar de uma atividade de escrita de gratidão, não fique muito surpreso se não se sentir muito melhor imediatamente após a escrita.

Seja paciente e lembre-se de que os benefícios da gratidão podem levar algum tempo para entrar em ação.

4. A gratidão tem efeitos duradouros no cérebro

Gratidão e cérebro

Usamos uma imagem por ressonância magnética funcional para medir a atividade cerebral, enquanto as pessoas de cada grupo realizaram uma tarefa de “pagar adiantado”.

Nessa tarefa, os indivíduos recebiam regularmente uma pequena quantia de dinheiro de uma pessoa gentil, chamada de “benfeitora”. Esta benfeitora só pediu que eles passassem o dinheiro para alguém se eles se sentissem gratos.

Nossos participantes então decidiram quanto do dinheiro, se algum, passar para uma causa digna (e de fato doamos esse dinheiro para uma instituição de caridade local).

Cerca de três meses após o início das sessões de psicoterapia, pegamos algumas das pessoas que escreveram cartas de gratidão e as comparamos com aquelas que não escreveram.

Queríamos saber se seus cérebros estavam processando informações de maneira diferente.

Descobrimos que quando as pessoas eram mais gratas, doavam mais dinheiro a uma causa e apresentavam maior sensibilidade neural no córtex pré-frontal medial, uma área cerebral associada ao aprendizado e à tomada de decisões.

Isso sugere que as pessoas que são mais gratas também estão mais atentas ao modo como expressam gratidão.

Queríamos distinguir doações motivadas por gratidão de doações motivadas por outras razões, como sentimentos de culpa ou obrigação.

Por isso, pedimos aos participantes que avaliassem quão gratos se sentiam em relação ao benfeitor e quanto queriam ajudar cada causa de caridade, bem como o quanto se sentiam culpados se não ajudassem.

Nós também lhes demos questionários para medir o quanto eles são gratos em suas vidas em geral.

Descobrimos que, em todos os participantes, quando as pessoas se sentiam mais gratas, a atividade cerebral delas era distinta da atividade cerebral relacionada à culpa e ao desejo de ajudar uma causa.

Mais especificamente, descobrimos que quando as pessoas eram mais gratas, doavam mais dinheiro a uma causa e apresentavam maior sensibilidade neural no córtex pré-frontal medial, uma área cerebral associada ao aprendizado e à tomada de decisões.

Isso sugere que as pessoas que são mais gratas também estão mais atentas ao modo como expressam gratidão.

O mais interessante é que quando comparamos aqueles que escreveram as cartas de gratidão com aqueles que não escreveram, os que escreveram as cartas de gratidão mostraram maior ativação no córtex pré-frontal medial quando sentiram gratidão na imagem por ressonância magnética funcional.

Isso é surpreendente, pois esse efeito foi descoberto três meses após o início da redação das cartas. Isso indica que simplesmente expressar gratidão pode ter efeitos duradouros no cérebro.

Embora não conclusivo, esta descoberta sugere que a prática da gratidão pode ajudar a treinar o cérebro para ser mais sensível à experiência de gratidão, e isso pode contribuir para melhorar a saúde mental ao longo do tempo.

Embora estes sejam apenas os primeiros passos no que deveria ser uma jornada de pesquisa mais longa, nossa pesquisa até agora não apenas sugere que escrever cartas de gratidão pode ser útil para pessoas que procuram serviços de aconselhamento, mas também explica o que está por trás dos benefícios psicológicos da gratidão.

E um momento em que muitos profissionais de saúde mental estão se sentindo pressionados, esperamos que esta pesquisa possa apontá-los – e seus clientes – para uma ferramenta eficaz e benéfica.

Independentemente de estar enfrentando sérios desafios psicológicos, se você nunca escreveu uma carta de gratidão antes, nós o encorajamos a tentar.

Muito do nosso tempo e energia é gasto na busca de coisas que atualmente não temos. A gratidão reverte nossas prioridades para nos ajudar a apreciar as pessoas e as coisas que temos.

Por um mundo com mais gratidão, compartilhe com seus amigos!

(Via Awebic. Tradução do texto originalmente publicado em Mindfulescrito por Joshua Brown e Joel WongImagens: pexels.com e pixabay.com)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *